GPFOR Modelismo

Trabalhos e fotos do autor sobre modelismo

Iguaracy Lavôr – Veículos da Minha Geração – Puma GTE – 1970 – 1980:

1 de outubro de 2017 by Iguaracy Lavôr

*Texto e fotos de arquivo do autor Iguaracy Lavôr.

Puma GTE:

Puma GTE

 

Visão Geral

Produção: 1970-1980
Fabricante: Puma Veículos e Motores Ltda.

Modelo

Classe: Desportivo
Carroceria: Coupé
Designer: Genaro “Rino” Malzoni

Ficha técnica

Motor: 1,6 – 2,1l (4 cilindros, Boxer)
Transmissão: Manual: 4 + ré
Modelos relacionados: Puma GTC
Karmann Ghia
Karmann Ghia TC
SP1 – SP2
Miúra
Bianco

Dimensões

Comprimento: 3.960mm – 4.000mm
Entre-eixos: 2.150mm
Largura: 1.580mm – 1.665mm
Altura: 1.160mm – 1.200mm
Peso: 680kg – 750kg
Tanque: 40l
Consumo: 6km/l – 10,5km/l
 
   
 

O Puma GTE, “o mais famoso esportivo made in Brazil” é um automóvel produzido com carroceria de fibra de vidro e mecânica Volkswagen boxer entre 1970 e 1980. Este modelo toi baseado no Puma GT, a letra “E” adicionada à nomenclatura significa “exportação” ou “Europa”, segundo outras fontes. Este foi o modelo de maior volume de produção da marca Puma (8.705 unidades).

O Puma com motor de quatro cilindros foi criado em uma fazenda em Matão, estado de São Paulo, por Genaro “Rino” Malzoni. Estes automóveis foram distribuídos: no Brasil, Uruguai (primeiro veículo exportado), Argentina, Haiti, Guatemala, Nicarágua, El Salvador, Estados Unidos, África do Sul (produção local), Japão, Itália, Grécia, Alemanha e Oriente Médio.

Os modelos GT a partir de 1968 e GTE até 1976 ficaram conhecidas como “Puma Tubarão”, pelas entradas de ar para o motor se assemelharem às guelras de um tubarão.

Histórico:

  • A produção se iniciou em meados de 1970 utilizando a plataforma encurtada do Volkswagen Karmann Ghia. A carroceria inicialmente utilizada era basicamente a mesma de seu antecessor, o Puma GT, porém sofreu algumas alterações e o projeto chamou-se P3. As principais alterações em relação ao seu antecessor foram: motor 1,6 litros, e eram oferecidos opcionalmente motores de maiores capacidades cúbicas (até 2,1l); freios dianteiros a disco; cintos de segurança de três pontos; retrovisor externo; luz indicadora de marcha ré engatada, inversão do sentido de abertura do capô dianteiro, apoios para cabeça e novo pára-brisas.
  • Em 1973, sofreu pela primeira vez alterações significativas na carroceria e algumas delas são: aumento do capô de acesso ao motor (para facilitar a manutenção), redução do comprimento do vidro traseiro, novo painel (o anterior tinha seus instrumentos refletidos no pára-brisa) e linhas laterais menos curvas. Estas alterações não muito visíveis.
  • Em 1976, passou por novas alterações significativas e esta se tornou a configuração mais conhecida do Puma GTE. A substituição da plataforma pela do Volkswagen Brasília tornou o veículo mais largo, recebeu janelas laterais traseiras (para melhorar a visibilidade) e a carroceria com linhas mais retas.
  • Em 1980 o modelo GTE passa a se denominar GTI.

Ficha Técnica:

Motor:

  • Motor de combustão interna, 4 tempos, 4 cilindros opostos, dispostos 2 a 2 horizontalmente (boxer). Montado na parte traseira do veículo (refrigeração a ar);
  • Motor 1600: 1.584cm³, 70HP (52,2kw) e 12,3kg. (Opções até 2.100 (2.085) cm³ e 150HP, 111,8kw).

Carroceria:

P3 – 1970-1973:

  • Comprimento: 3.960mm;
  • Largura: 1.580mm;
  • Altura: 1.160mm;
  • Entre eixos: 2.150mm;
  • Peso líquido: 680kg;
  • Material: Fibra de vidro.

1976-1980:

  • Comprimento: 4.000mm;
  • Largura: 1.665mm;
  • Altura: 1.200mm;
  • Entre eixos: 2.150mm;
  • Peso líquido: 750kg;
  • Material: Fibra de vidro.

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Kits:

Não conheço kits de plastimodelismo desse belíssimo carro esportivo “Made in Brazil” chamado Puma GTE, no entanto existem no mercado inúmeras miniaturas no formato diecast nas mais variadas cores e escalas, para alegria de fãs e colecionadores desse veículo fabricado pela indústria automobilística nacional entre os anos de 1970 e 1980. Belíssimas aquisições!